quinta-feira, 30 de junho de 2011

RAPIDINHAS

- O SBT vai revelar onde foram parar os famosos "episódios desaparecidos" do "Chaves" na emissora. O misterioso destino desses episódios será revelado no próximo "Festival SBT 30 anos", que vai ao ar neste sábado. A não ser que o Sarney e o governo PT digam que são informações sigilosas e impublicáveis.

- Vem aí (aliás, lá. Lá nos EUA) novos quadrinhos dos Caça-Fantasmas (pela IDW Publishing). Só postei memso para contar que o número 1 terá uma capa alternativa com feixes de prótons e sirenes que brilham no escuro. ISSO É MUITO MANEIRO!!!!

A Marvel já está mexendo seus pauzinhos para desenvolver curtas com personagens menos conhecidos da casa. Nomes como Luke Cage e Dr. Estranho já foram comentados antes, mas não há nenhum confirmado, por enquanto. Uma possibilidade é exibir esses curtas antes dos filmes medalhões da editora ou incluí-los nos DVDs e Blu-rays - opção que já está em andamento nos futuros discos de Thor e Capitão América - O Primeiro Vingador, que conterão dois curtas estrelados pelo agente Coulson (Clark Gregg) da SHIELD.

E falando na Marvel:

quarta-feira, 29 de junho de 2011

INSCRIÇÕES ABERTAS para futuros lobos!

O Alcateia abre inscrições para resenhistas de todos os tipos, cores, tamanhos e gostos musicais! Num surto psicótico, decidimos dar mais atenção para nossa Loboteca e para isso estamos ampliando nosso quadro de resenhistas. Basicamente, para concorrer a vaga de resenhista de livros aqui, você precisa gostar de ler e ter uma boa interpretação de texto. Inscrições também abertas para a Séries, TV e Cinema, para quem quiser resenhar e fazer críticas de filmes, seriados e música. O trabalho não paga nada, mas você ganhará um selinho com uma foto ou avatar seu ao lado da sua matéria! Os interessados devem enviar um e-mail para eddie@eddievanfeu.com com uma amostra do seu trabalho. Siga os blogs! Aumente nossa matilha!

Quer fazer parte da matilha?

O Alcateia abre inscrições para resenhistas de todos os tipos, cores, tamanhos e gostos musicais! Num surto psicótico, decidimos dar mais atenção para nossa Loboteca e para isso estamos ampliando nosso quadro de resenhistas. Basicamente, para concorrer a vaga de resenhista de livros aqui, você precisa gostar de ler e ter uma boa interpretação de texto. O trabalho não paga nada, mas você ganhará um selinho com uma foto ou avatar seu ao lado da sua matéria! Os interessados devem enviar um e-mail para eddie@eddievanfeu.com. A partir de agora, teremos sempre matérias e novidades aqui, não só sobre o mundo de quem gosta de ler, mas também pra quem gosta de escrever! Siga nosso blog! Aumente nossa matilha!

100 anos de Bernard Herrmann (ou Como Dei Com a Cara na Porta do Municipal)

por Ricky Nobre


Há cem anos (29 de junho de 1911) nascia Bernard Herrmann. Ele não era o compositor mais bem sucedido de Hollywood do ponto de vista comercial. Apesar de altamente conceituado, não era o favorito dos produtores e, para piorar, suas composições jamais poderiam ser simplificadas para vender discos, pegando carona no sucesso dos filmes. Suas orquestrações eram incomuns, suas melodias, inacabadas, seus padrões de qualidade, rígidos. Apesar disso, os filmes em que participou estão entre os mais bem sucedidos, tanto de público quanto de crítica e, ainda por cima, pasmem, sua composição mais radicalmente inovadora se tornou até toque de celular.

Começando no rádio como orquestrador e diretor musical, lá conheceu Orson Wells que, ao começar sua carreira no cinema, tratou de levar o amigo consigo. Desta forma, Herrmann iniciou sua carreira cinematográfica já com um clássico dos clássicos: Cidadão Kane. A partir daí, Herrmann teve uma carreira surpreendentemente diversificada, compondo para filmes épicos (O Egípcio), aventuras (As Neves do Kilimanjaro), dramas (Jane Eyre), ficção científica (O Dia em que A Terra Parou) fantasia (Jasão e os Argonautas) e até televisão, algo impensável para um profissional já estabelecido no cinema, ao compor para sete episódios de Além da Imaginação.

Mas foi seu encontro com Alfred Hitchcock que eternizou seu trabalho. Nos oito filmes em que colaboraram, Herrmann pode levar seu estilo a um extremo só possível na medida em que ele se encaixava com perfeição na própria obra hitchcockiana. Suas melodias inacabadas (sem a as notas típicas da conclusão melódica, que dão uma inconsciente sensação de “alívio” ao ouvinte) não apenas sublinhavam, mas intensificavam a sensação de ansiedade, suspense e inquietação das cenas. Em Um Corpo que Cai, o tema que amor unia uma série de belíssimos temas que se encadeavam sem jamais se concluírem, enfatizando a tortura e o desespero do personagem de James Stewart em frente a um amor que jamais poderia ser resolvido, enquanto o tema principal se desenvolvia numa estrutura espiralada, repetitiva, enfatizando a sensação de vertigem da qual o personagem sofria e a obcessão mórbida que o consumia.

Mas foi ao realizar Psicose, filme que levou ao ápice a experimentação de Hitchcock no conceito de “cinema puro”, que Herrmann pode se “espalhar” como nunca antes ou depois. Economizando nos diálogos e no orçamento, o filme se baseia quase que inteiramente nos elementos técnicos de fotografia, montagem e música para criar suspense, medo, angústia e pavor. Hitchcock teria chegado a dizer a Herrmann: “O terceiro rolo é seu”, tamanha a confiança que ele tinha em entregar uma sequência de 20 minutos praticamente sem diálogos nas mãos do compositor, que compôs 58 minutos de música, criados exclusivamente para orquestra de cordas. Com a cena do chuveiro, no entanto, Hitchcock resolveu se apoiar exclusivamente na montagem e nos efeitos sonoros, sem música. Herrmann teve que compor e gravar escondido e apresentar o tema pronto para convencer o diretor que era possível que uma composição musical melhorasse a cena idealizada por ele. Ali nascia uma nova era da música do cinema. Assim com Psicose é a gênese de todos os slasher movies, a música do chuveiro foi a primeira composição totalmente atonal composta para cinema e pavimentou toda uma escola de composição cinematográfica de horror nas décadas que se seguiram.

Infelizmente, sérios problemas durante a produção de Marnie, Confissões de uma Ladra e o fracasso comercial do filme abalaram a confiança e a insuspeitavelmente frágil estrutura psicológica de Hitchcock, que sucumbiu às pressões do estúdio e demitiu Herrmann durante as gravações da trilha de Cortina Rasgada. A briga foi séria e Herrmann, magoado, mudou-se para Londres, onde realizou uma série de gravações históricas para o selo London e colaborou com cineastas europeus que o admiravam, principalmente François Truffaut. De volta aos EUA, compôs para novos talentos, como Brian de Palma e Martin Scorcese. Para este, trabalhou em Taxi Driver, seu último filme. Dois dias após concluir as gravações da música, veio a falecer, na noite de Natal de 1975.

Por ocasião de seu centenário e da mostra as obras completas de Hitchcock exibida no CCBB (Centro Cultural do Banco do Brasil), o Theatro Municipal do Rio de Janeiro programou um evento espetacular: a projeção de Psicose com música executada pela Orquestra Sinfônica Brasileira. Com ingressos comprados, cheguei ao teatro na noite de sábado, dia 25 de junho, na companhia de minha namorada, para darmos com a cara na porta. Apagado, com portas fechadas e sem nenhum funcionário para dar satisfações, nós e várias pessoas perguntávamos uns aos outros o que estava acontecendo.

Esta era apenas mais um capítulo na crise da OSB, que ainda não fez nenhuma apresentação no Theatro Municipal este ano. Ao procurar a bilheteria do teatro nesta quarta-feira, me surpreendi ao ter meu dinheiro devolvido, não apenas para o evento não realizado, mas também para dois concertos que já havia adquirido para o fim do ano; um que incluía a estreia nacional da suíte de Bernard Herrmann para Um Corpo que Cai em outubro e outro com composições de Nino Rota (compositor de Felini) e Ennio Moricone (maior compositor de cinema italiano) em dezembro.

Ao que tudo indica, a Orquestra Sinfônica Brasileira passará o ano de 2011 em brancas nuvens, isso se conseguir sobreviver. Sim, a OSB, como a conhecemos, está ameaçada de acabar. Detalhes sobre a crise que escandalizou músicos de todo o mundo você verá em breve aqui no blog!

ABERTURA DE PSICOSE (PSYCHO, 1960)



ABERTURA DE UM CORPO QUE CAI (VERTIGO, 1958)


terça-feira, 28 de junho de 2011

LUA DAS FADAS: Resenha

por Carolina Mylius

Como minha primeira resenha, resolvi falar de um livro que tive o prazer de participar como ilustradora. É meio difícil escrever sobre este livro sem parecer um pouco deslumbrada. Sinto um orgulho imenso de ter feito parte dele e acompanhado o seu desenvolvimento junto com a autora. Mas confesso que o livro foi muito além das minha espectativas iniciais sobre a história.
O livro conta a história de Bianca, uma adolescente de 16 anos que, junto com sua melhor amiga Analice, resolve fazer uma sessão de tabuleiro oui-ja. Mas as coisas fogem ao controle e Analice acaba desaparecendo sem deixar vestígios. Bianca passa então a buscar compreender o que aconteceu e encontrar pistas que possam levar a onde está sua amiga. Nessa busca, ela consegue a ajuda de um anjo chamado Zacariel e juntos eles partem para uma grande aventura num mundo encantado cheio de seres incriveis, mas também muito perigosos. Nessa viagem, em meio as situações e perigos enfrentados, um profundo sentimento começa a surgir entre eles.
Não vou falar mais do que isso pra não dar spoiler, mas tem muita coisa a ser revelada sobre os personagens, principalmente sobre Zac (como Bianca chama o anjo). Eu já sabia mais ou menos o que acontecia no inicio da história porque a Eddie e eu discutíamos sobre ela quase que diáriamente por causa das ilustrações e da capa. Só que eu não esperava o que aconteceu na história do meio pro final. Foi uma supresa emocionante que me arrancou lágrimas dos olhos.
E a Bianca que parecia uma mocinha frágil, que vivia no meio de uma família perfeita, mostrou que tinha muito mais coragem e perseverança do que todos imaginavam (principalmente o Zac). Zac também me surpreendeu muito. Não imaginava os segredos que ele escondia, foi uma enorme surpresa e passei a gostar muito mais dele depois de saber disso.

 

Realmente adorei o livro. Adoro o estilo de escrita da Eddie, que mistura situações engraçadas com outras extremamente drámaticas e envolventes. Aliado também ao profundo conhecimento que ela tem sobre magia e seres encantados, que enriquecem a narrativa sobre essa temática. Já tive a oportunidade de ler outros livros dela como “O Portal” e “Alcatéia Prateada” e recomendo todos.
Talvez alguns vejam semelhanças com o livro O Rei do Ferro da Julie Kagawa (apesar da autora nunca ter ouvido falar desse livro). Tem alguns pontos semelhantes, mais pelo fato de ser também no reino das fadas, mas as histórias são bem diferentes. Enfim, leitura recomendadíssima para todas as idades!!!

Espero que gostem!

Abaixo estão algumas das ilustrações do miolo do livro (sim, ele é ilustrado!).


 
O livro está disponível em todas as bancas do Brasil, mas se não encontrar, você pode pedir diretamente para a editora. É só clicar AQUI. O livro tem blog próprio com novidades e constantes atualizações. Visite-o clicando aqui!

COMO HUGH LAURIE CHEGOU AO PAPEL DE HOUSE

por Patrícia Balan
Para quem acha que o mercado americano é inacessível, aí vão as palavras que o inglês Hugh Laurie conseguia dizer em sotaque americano antes de conquistar o papel-título de House. Não imposta se seu vocabulário é vasto ou não, mas a maneira como você apresenta o que você sabe. Hugh Laurie compôs uma canção com o que sabia - e aí está o resultado.



O papel na TV americana foi especialmente importante para Laurie, que ficou proibido de dar as caras na BBC após essa apresentação.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

DIA DO IMPERADOR JULIANO / ARRETOPHORRIA


Considerado o padroeiro dos neopagãos e seguidores da Deusa, Juliano pode ser hoje lembrado em um ritual. Acenda uma vela por todos os que sofreram e sofrem por causa da intolerância religiosa e peça a Juliano que a inspire a cumprir com coragem e sabedoria sua missão de amor. Na Grécia, celebra-se a a Arretophorria, um festival de ninfas em honra à Donzela e às deusas Amazonas.


RAPIDINHA DO EVANESCENCE


por Renato Rodrigues
O Evanescence está finalmente em estúdio gravando um novo álbum. Desde 2006 (The Open Door) que o fãs da gritaria não ouvem nada novo deles. A vocalista Amy Lee promete que as gravações terminam até o fim de junho. Ed Vetri, presidente da gravadora, deu um bizú do que vem por aí:
"Uma coisa que temos aqui na Wind-up Records é paciência. Se não está certo, não vai sair. Se levar um ano ou quatro, vamos gastar o tempo necessário para escrever o disco. [...] Acho que os fãs dela ficarão muito felizes [com o resultado]", disse Vetri.
A banda, que não toca ao vivo desde 2009, inicia uma nova turnê em agosto, no Canadá, e depois marcará presença no Rock in Rio 2011 (dia 2 de outubro).

domingo, 26 de junho de 2011

QUER PASSAR CARTÃO?


Atendendo a pedidos, agora, para comprar os livros da Editora Linhas Tortas você já pode usar cartões Visa e Martercard. Dá até pra parcelar em 3 vezes sem juros! Juro! E o FRETE É GRÁTIS!!!

Chegamos ao século 20... já, já chegaremos ao 21, guenta mais um pouco!


Visite nossa nova livraria virtual
www.linhastortas.com


Até o Homer já entrou nessa!

Fotos Módulo Topázio - Alquimia dos Dragões em Sampa

Agora você pode conferir as fotos da aula de Alquimia dos Dragões em Sampa! A mesma aula foi dada uma semana depois no Rio e estava lotada, já que essa aula é importante para a Iniciação na Magia dos Dragões no fim do ano! Só que eu esqueci completamente de tirar fotos do Rio! Galera do Rio, me ajudem com a minha cabeça! Me lembrem de tirar fotos! A próxima aula de Sampa está marcada. Teremos aula de Proteção e Defesa Contra Energias Destrutivas e Vampíricas em mais um curso dos Cavaleiros da Rosa. As aulas são abertas a todos que quiserem conhecer a Ordem, já fazerm parte dela ou simplesmente querem aprender novas técnicas para se defenderem de energias negativas de todo tipo! O Módulo Ônix rola dias 16 e 17 de julho de 2011. Para conferir as fotos da aula de Alquimia dos Dragões em Sampa, com direito a bolo de chocolate e Coca-Cola do aniversário da nossa bruxinha Sandrini, é só CLICAR AQUI!

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Olha as fotos do Lançamento do Lua das Fadas em Sampa!

Agora você já pode conferir as fotos do lançamento do Lua das Fadas na Livraria Fênix! Teve bolo e Coca-Cola, fotos e risadas! Pra conferir as fotos completas, é só visitar a nossa GALERIA! E amanhã tem mais! E não se esqueça da aula de Alquimia dos Dragões no Rio! É neste sábado!

Aqui somos nós fazendo careta pra quem não acredita em fadas!

quarta-feira, 22 de junho de 2011

O FIM DA ERA RICHARD DONNER


Por Renato Rodrigues
O canal da Warner aqui do Brasil já levou ao ar o episódio final de Smallville, série que contava a juventude de Clark Kent, o Peter Pan de Krypton. E, mesmo sendo motivo de gozação de muitos, ela serviu para manter o interesse pelo Superman ativo para toda uma geração (Foram 10 anos no ar!!! Teve gente que cresceu vendo isso!). Mas sua alardeada última temporada também marcou o FIM de uma prolífera era iniciada em 1978 por Richard Donner e pelos irmãos Salking com Superman – O filme.

Superman realiza o sonho da casa própria. Herdou do pai!

Toda a mitologia iniciada por eles em 78 foi adotada nos outros 5 filmes posteriores (estou contando com Supergirl de 1984 e Superman – O retorno de 2006 nesta matemática). O visual de Krypton e da Fortaleza da Solidão, os uniformes, a trilha sonora mais “super” da história do cinema e o insuperável carisma da figura de Christopher Reeve formaram bases tão sólidas que atravessaram intactas pelos coloridos anos 80, pelos dark anos 90, pelos tecnológicos anos 2000 e chegaram até o episódio final de Smallville tão modernos quanto começaram.

Sobreviveram até a Richard Pryor, Bryan Singer e ao Homem Nuclear!!!

Ainda inspiraram fortemente as séries de TV Superboy (de 1989, também produzida pelos Salking) e a moderna Smallville que se despediu em grande estilo com o herói vestindo a roupa e voando ao som de John Willians (isso não é spoiler, TODOS sabiam que terminaria assim e se não terminasse eu ia xingar muito no twitter!).

Até os quadrinhos se renderam (tardiamente) aos conceitos do diretor. Primeiro quando o chamaram para roteirizar um arco de histórias para a revista Action Comics e depois quando Geoff Johns recontou (mais uma vez) a origem do herói com influência direta nos filmes (incluindo as feições de Chris Reeve).

"Origem Secreta" trouxe a arte de Gary Frank que mandou na lata estampando o Christopher Reeve e outros conceitos tanto dos filmes quanto de Smallville.
Superman – O Retorno de Bryan Singer bebeu da fonte de Richard Donner. Mas bebeu demais, e quem bebe demais faz merda! O filme foi alvo de muitas críticas desde a estreia e a cada ano mais gente aparece para jogar pedras verdes no filme. Como me disse uma vez o Ricky Nobre, “O filme parece que vai piorando um pouco mais a cada vez que a gente assiste!”. E eu concordo com tristeza. O Retorno deu de tudo menos retorno (desculpe!) financeiro para os padrões da Warner que depois de muito blá-blá-blá assumiu que não continuaria o filme (nem com Bryan Singer nem sem Bryan Singer) e oficilializou um reboot da franquia de Superman nos cinemas.

Sensível demais? Com pouca ação? O que matou o filme foi ter CHUPADO o roteiro do Superman I
Agora sim chegamos ao assunto do título. Para o bem ou para o mal, é o fim da era Donner. É a hora de dizer adeus a Krypton de cristal, Marlon Brando como Jor-el, Lex Luthor (a maior mente criminosa de nosso tempo!) e seus planos imobiliários (pelo menos isso será bom!), ao visual da Fortaleza da Solidão e, principalmente, ao tema de John Willians.

Smallville bebeu um pouco nesta fonte (com muito mais moderação do que o filme de 2006) e não faltaram homenagens e citações como a emocionante participação de Christopher Reeve e as presenças de Maggot Kidder, Helen Slater e Terence Stamp (como a voz de Jor-el) encerrando com chave de ouro a era Richard Donner.

A Fortaleza da Solidão de Smallville fez a gente se sentir em casa.
Agora sob a batuta de Zack Snyder (com produção de Christopher Nolan, amém), Man of Stell chegará em 2012 aos cinemas com a responsabilidade de apresentar um NOVO Superman para uma nova platéia. Gente que não quer ver um casal voando pelos céus de Metrópolis ao som de Can you read my mind? e nem ver um repórter tímido tropeçando nos próprios pés pela redação.


A DC já deu uma pista sobre como será o visual do herói ao reformular seu uniforme nos quadrinhos. Não é a cara do padrão que o Zac Snyder usou em Watchmen?
Longa vida ao novo homem de aço! E boa sorte ao nos fazer continuar acreditando que um homem pode voar!

LUA DAS FADAS NO PSYCHOBOOKS

por Eddie Van Feu

Olha que legal! A Tata, uma das maluquinhas por livros do blog Psychobooks, mostrou o livro na Caixa de Correio #55! O Lua das Fadas, que traz as belíssimas ilustrações da Carolina Mylius na capa e num caderno especial interno, está nas bancas de todo o Brasil e ainda pode lhe dar alguns prêmios bem legais nas promoções que vão rolar! Enquanto isso, dá uma sacada no livro aí no vídeo!

LIVRO SOBRE OS DESENHOS DA FILMATION

por Renato Rodrigues
Você não sabe, mas com certeza já viu algum dos desenhos dos estúdios da Filmation. Responsáveis pelo sucesso de He-man, a Filmation era conhecida por duas coisas: baratear os custos de produção (repetindo frames e reaproveitando cenas de desenhos anteriores) e  pelas versões  animadas de seriados (como Jornada nas Estrelas) ou de quadrinhos (Superman, Batman, Shazam!, Tarzan, Archies e outros). Foram 26 anos atuando no mercado usando praticamente só animadores americanos.

A rica história da Filmation sai agora num livro obrigatório para os amantes da animação, repleta de curiosidades de bastidores e imagens raras e inéditas de storyboards, que o cofundador dessa histórica produtora conta para o escritor Andy Mangels no livro Lou Scheimer: Creating the Filmation generation.

Scheimer, o principal executivo da Filmation Associates, também revela alguns fatos curiosos de sua vida. Numa das histórias ele garante que seu pai esmurrou Adolf Hitler! Ah, sabia que ele fazia a voz do Gorpo (em inglês, lógico)?

No You Tube você encontra dezenas de preciosidades (a maioria trash, mas bem saudosas) da Filmation e eu garimpei uma cuja memória sonora deve agradar mais a galera: Rick Springfield e a Missão Mágica

terça-feira, 21 de junho de 2011

20 ANOS DO DISCO MAIS EMBLEMÁTICO DOS ANOS 90


por Renato Rodrigues
É, você está ficando velho! Uma edição de luxo em comemoração aos 20 anos de "Nevermind", do Nirvana, será lançada no dia 19 de setembro deste ano. A caixa terá quatro CDs e um DCD, com faixas inéditas, raridades, lados B, versões alternativas, gravações ao vivo e apresentações na rádio BBC. Já o DVD será de um show da banda que nunca foi lançado.

"Nevermind" vendeu mais de 30 milhões de cópias nas duas últimas décadas desde o seu lançamento. Mas o que será o bebê que estrelou na capa em 91 está fazendo hoje, com 20 anos de idade?



O mesmo que fazia na época... NADA, nada muito!

LUA DAS FADAS NO PSYCHOBOOKS

por Eddie Van Feu

Olha que legal! A Tata, uma das maluquinhas por livros do blog Psychobooks, mostrou o livro na Caixa de Correio #55! O Lua das Fadas, que traz as belíssimas ilustrações da Carolina Mylius na capa e num caderno especial interno, está nas bancas de todo o Brasil e ainda pode lhe dar alguns prêmios bem legais nas promoções que vão rolar! Enquanto isso, dá uma sacada no livro aí no vídeo!

segunda-feira, 20 de junho de 2011

JÁ VIU O TRAILER DO HARRY POTTER?


O trailer de "Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 2" saiu semana passada mas tá fresquinho ainda, guardei na geladeira.

SUPER HOMENAGEM EM 3D

Renato Rodrigues
Começando a semana bem com essa animação digital que o italiano Francesco Accattatis produziu em tributo ao eterno Homem de Aço do cinema, Christopher Reeve .
Mais uma prova que não haverá reboot capaz de apagar a força do filme de 1978 de Richard Donner.

sexta-feira, 17 de junho de 2011

TRAILER DO ÚLTIMO HARRY POTTER

por Renato Rodrigues
Saiu essa semana o trailer de "Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 2". Não consegui incorporar na postagem porque não sou médio, mas você pode clicar abaixo e ver no YOÚTUBI.
VEJA AQUI

Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 2 estreia nos cinemas em 15 de julho, em 2-D, 3-D e IMAX.
Eu tô muito por fora das histórias do bruxo inglês então melhor nem falar nada... Não me julgue!


Você leu TODOS os livros e viu TODOS os filmes?


quinta-feira, 16 de junho de 2011

ELE É VERDE E CARREGA UMA LANTERNA? QUEM ELE É?

por Renato Rodrigues
Se você respondeu Lanterna Verde (que estreia nesta sexta, 17/06 nos EUA) tente novamente.

NOITE DAS LÁGRIMAS

Também chamada Festa das Águas do Nilo, no Egito, celebra-se a deusa Ísis e seus lamentos. Hoje, acenda uma vela prateada e peça que Ísis amenize a tristeza do mundo e daqueles que lhe são caros.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

MAMONAS PARA SEMPRE


por Renato Rodrigues
E lá se foram 15 sem os Mamonas Assassinas! Estreia nesta sexta-feira o documentário "Mamonas para sempre", de Cláudio Kahns. E a alegria dos caras que se vestiam de heróis está lá presente:


- É um filme sobre a vida, não sobre a morte. Ele mostra o dia-a-dia dos Mamonas, a vida deles, como eles batalharam para chegarem onde chegaram. Eles vieram de uma periferia industrial como Guarulhos e, de repente, caíram no gosto do Brasil - explicou Kahns para o jornal O Globo.

- Eu não queria falar do acidente, mas da pulsão de vida que eles tinham. O que há no filme sobre o acidente é exatamente que eu não podia deixar de falar. E procurei fazer isso de uma forma bem sutil e bem resumida. Até porque as televisões já tinham explorado muito a tragédia na época. O que interessa aqui é a trajetória deles - disse o diretor.



Eu ainda trabalhava na rádio quando ouvi pela pirmeira vez os Mamonas e confesso que não dei muita bola. Tremenda bobeira que eu marquei! Foi vendo eles na TV, com àquelas roupas engraçadas, e com o carisma inegável que virei fã, como todo mundo virou! Eles encerraram a carreia precocente num momento em que estávamos começando a nossa como um equipe de criação editorial e isso ficou meio marcado pra mim.

Corrigindo o início da postagem, não são "15 sem os Mamonas", são 15 anos COM os Mamonas porque eles continuam sendo sucesso. E continuarão pulando vestidos de Chapolim por muito mais!

500 REVISTINHAS DA MÔNICA!!!

por Renato Rodrigues
Se o Maurício continuasse na Editora Abril, o gibi Mônica estaria hoje completando seu número 500!!! Seria um record absoluto de numeração para uma revista de quadrinhos no Brasil! Mas isso não tira o mérito de Mônica# 54, que chega esse mês às bancas celebrando 500 edições da menina de dentes proeminentes e peso acima da média.

Em cada mudança de editora, a revista recomeçou sua numeração: foram 200 edições pela Abril e 246 na Editora Globo.

E para não passar em branco, a Panini caprichou lançando duas versões: uma normal, custando R$ 4,90, e outra com capa metalizada e miolo em papel especial (R$ 5,90). Vou lá fora comprar e daqui a pouco volto pra contar!

DIA DE AINE DE KNOCKAINE

Aine era uma deusa fada celta que ajudava os viajantes perdidos. Quando se sentir perdido sobre alguma questão, seja profissional ou amorosa, faça como os antigos celtas. Bata em uma árvore três vezes com um ramalhete de flores brancas chamando por Aine e ela logo lhe mostrará o caminho certo.  Aine é a tutora de um dos expansores de consciência do Flor da Alma que mais uso, pois ele aumenta minha inspiração e beleza, além de aumentar o bom humor, tudo coisa de fada. Mas Aine era mais do que uma simples fada, pois era considerada pelos celtas um dos aspectos da Deusa Mãe Ana, Anu, Danu ou Don. Gêmea de Grian, Aine é uma deusa primária da Irlanda, soberana da terra e do sol, ligada ao Sostício de Verão. Ela sobreviveu na forma de uma Fada Rainha e seu nome que dizer prazer, alegria, esplendor. Na nossa viagem à Irlanda vamos fazer alguns rituais ligados à Fadas, pois elas são boas companheiras na realização de nossa missão e na manutenção de nossa família. E aproveito pra lembrar! Você tem até dia 20 de junho para confirmar sua presença na nossa viagem mágica que acontece dia 9 de setembro. A viagem para a Irlanda já está confirmada e o grupo está formado, restando apenas algumas poucas vagas. Para saber mais, entre em contato comigo (eddie@eddievanfeu.com), com o alcateia.com (21 3872-4971) ou diretamente com a Yary: Fone e Fax: (11) 5571-2525
Email: yary@ciaeco.tur.br

terça-feira, 14 de junho de 2011

X-MEN: Heróis de primeira classe

Por Ricky Nobre


O grupo de super heróis X-Men possui uma posição muito especial no seleto panteão de heróis de quadrinhos que chegaram ao cinema. O gênero havia sido terrivelmente maltratado em experiências anteriores. De memorável, o Superman de Richard Donner em 1978 e sua continuação, que só não foi muito melhor por causa da troca de diretores. Depois disso, só em 1989 apareceu o Batman de Tim Burton e sua continuação em 91 que, se hoje parecem difíceis de levar a sério, foram na época um raro e importante passo na direção certa. Entre os dois mega heróis da DC, o excepcional Conan: O Bárbaro de John Milius em 1982, que teve uma horrenda continuação.

Quando um obscuro herói da Marvel se tornou um inesperado sucesso de bilheteria num filme de baixo orçamento em Blade, a Fox finalmente se interessou em tirar do papel o engavetado projeto de transformar X-Men em filme. O grupo já havia angariado toda uma geração de novos fãs não necessariamente leitores de quadrinhos, graças à excelente série animada produzida na década de 90. Assim, o aclamado diretor de Os Suspeitos, Brian Synger deu à luz a X-men (2000), assim como sua excepcional continuação, dando o pontapé inicial para que diversos estúdios trouxessem heróis para as telas. A própria Fox trouxe dois filmes do Quarteto Fantástico e um Demolidor. Sony veio com três do Homem Aranha e um Motoqueiro Fantasma, enquanto a Universal trouxe Hulk. A Warner resolveu finalmente fazer algo decente com Batman e colocou a franquia nas mãos do gênio Christopher Nolan e já tem na agulha um grande filme com o Lanterna Verde. A Marvel virou estúdio e já trouxe de volta Hulk para seu domínio, fez dois filmes do Homem de Ferro, um do Thor e já está para ser lançado Capitão América, com Os Vingadores chegando para reunir todos esses heróis.

Em suma: o que antes era um negócio arriscado e, na melhor das hipóteses, encarado como filme de criança, tornou-se não só um negócio milionário, mas também uma forma de cineastas consagrados contarem grandes histórias.

X-Men continuou sendo um grande negócio. Para o terceiro filme da série, Synger resolveu se afastar pra passar vergonha com Superman Returns, deixando o projeto nas mãos do amigo Brett Retner. Apesar do sucesso de bilheteria, o terceiro X-Men foi duramente criticado e, apesar de problemático e estabanado, é também um tanto subestimado. Não tão ruim, mas bem abaixo das expectativas, foi o X-Men Origins: Wolverine, filme que iniciaria uma série de produções contando as origens de diversos heróis mutantes.

“Mas pra que essa lenga lenga toda?”, pergunta você, já olhando pro relógio. Por dois motivos: um é para situar claramente a importância desses personagens hoje numa Hollywood que passou a ganhar (e, às vezes, perder) muito dinheiro com heróis de quadrinhos. Outro, é para especificar que, embora de qualidades bem oscilantes, os quatro filmes com os mutantes produzidos pela Fox mantinham uma cronologia própria sólida, mesmo que adaptassem de forma, por vezes, bastante livre os eventos e personagens dos quadrinhos (o que, no caso do extremamente complexo universo dos mutantes, é algo rigorosamente inevitável).

Antes que você tenha qualquer dúvida, X-Men: Primeira Classe é exatamente o que o nome diz: um filmaço de primeira categoria, completamente fiel ao espírito dos quadrinhos e à qualidade dos filmes anteriores, especificamente os dois primeiros. Dirigido por Matthew Vaughn, homem que já tinha em seu currículo a adaptação de Stardust de Neil Gaiman e Kick Ass (também sobre o universo de super heróis no mundo real), o filme foi originalmente concebido como X-Men Origins: Magneto. Assim como o de Wolverine, ele se restringiria às origens do personagem, mas acabou se desdobrando num projeto bem mais amplo. Agora ele traz as origens do relacionamento de Xavier e Magneto, muito bem interpretados por James McAvoy e Michael Fassbender, assim como a primeira formação dos jovens heróis mutantes que lutam por uma humanidade que os despreza. Tendo como pano de fundo a paranoica guerra fria, a história se passa no mesmo ano de 1963 em quando foi lançado o primeiro gibi do grupo. O roteiro é bastante competente ao misturar personagens criados em diversas épocas para compor esse primeiro panorama do mundo mutante cinematográfico, assim como a direção é em manter uma fascinante atmosfera de realismo, inclusive ao enfatizar a pouquíssima idade da maioria dos personagens, praticamente todos sem condições à priori de enfrentar os duríssimos e violentos fatos que se desenrolam. Falando nisso, Primeira Classe é um filme incrivelmente violento para sua classificação PG-13 (13 anos) recebida nos EUA, forçando ao limite máximo todas as restritas regras que regem o que faz cada filme para receber determinada classificação etária. Tendo Kick Ass no currículo, imagina-se o quanto o diretor Vaughn teve que se segurar.

O embate de filosofias entre Xavier e Magneto, já muito bem explorado nos filmes anteriores, ganha contornos ainda mais dramáticos e, até certo ponto, fica muito difícil não concordar com Magneto de que a raça humana não merece um pingo de piedade. O elenco é impecável, com destaque a um excelente Kevin Bacon com o todo poderoso Sebastian Shaw do Clube do Inferno e Jennifer Lawrence como a jovem Raven. A produção é impecável, proporcionando não apenas um filme emocionante, mas também uma diversão de altíssima qualidade.

PORÉÉÉÉÉM... o nerd raivoso dentro de nós não deixa de se incomodar com certos fatos, a começar pela própria produtora Lauren Shuler Donner declarando que o filme não era nem um prequel nem um reboot, mas um preboot. Tal neologismo a lá magri deixa clara a escolha feita pelos produtores e pelo diretor: fazer um filme baseado na franquia produzida pela Fox até o momento, mas sem necessariamente respeitar, ou sequer observar, fatos e personagens importantes que constam nesses filmes. Em outras palavras, “que se f...”!

Muita, mas MUITA coisa não se encaixa com os filmes anteriores, o que não seria nada absurdo se fosse um reboot assumido. Porém, o filme já começa com uma recriação quase literal da primeira cena do primeiro filme, onde o jovem Eric manifesta seus poderes num campo de concentração nazista (até a música de Michael Kamen feita para a cena foi reutilizada!). Ou seja, o filme já começa prometendo ser fortemente atrelado à cronologia anterior da franquia, o que se mostra uma mentira ao longo do filme. Analizando com cuidado, percebemos que a maior parte das incongruências se referem a X-Men 3 e Wolverine, filmes que não tiveram envolvimento do diretor Brian Synger. E adivinhem quem voltou como produtor em Primeira Classe??? Pois é, como produtor e co-autor do argumento, Synger parece defender que, se não foi ele que fez, então não aconteceu. Mas ainda existem problemas (ainda que de escala beeem menor) à luz dos dois primeiros X-Men, o que torna a situação mais problemática, pois sequer é possível simplesmente ignorar dois filmes (os dois mais fracos, sejamos francos) para termos uma continuidade coerente.

Além disso, parece bastante desnecessário transformar a geneticista escocesa Moira McTargget em uma americana agente da CIA. Sua função na história, que é ser uma das poucas humanas que fica do lado dos mutantes logo no início e ser fortemente ligada à Xavier, permanece preservada. Mas para mudar tão drasticamente sua atuação prática (nacionalidade e profissão) não seria melhor simplesmente inventar um novo personagem?

Outro grande desperdício foi a total ausência de investimento estético por parte do diretor Matthew Vaughn na ambientação de época. Fotografia, música, tudo no filme ignora que é uma história passada no início dos anos 60. Até direção de arte e figurino fazem apenas o estritamente necessário para a década em questão. É como se o diretor não quisesse que o público percebesse que estava vendo um filme passado há 50 anos.

Apesar dos problemas, muito mais evidentes para espectadores cri cri (como este articulista), o novo X-Men chega para trazer de volta a excelência aos filmes dos mutantes, deixando-os na elite do gênero, junto à nova franquia de Batman. Enquanto não se anuncia a continuação, junte-se aos dilemas de dois grandes amigos e escolha um lado, se for capaz.


NOTA: 9/10