sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Sobre o filme "Annabelle 2" - Chá das Cinco #155

Esse tava com tanta uruca que até atrasou. Atrasou, mas saiu, veja aí o papo da Eddie Van Feu e da Patrícia Balan sobre o filme "Annabelle II"

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

TOP 5 Filmes de Fim do Mundo - Chá das Cinco #154

O FIM ESTÁ PRÓXIMO... Então melhor fazer logo o nosso TOP 5 com os filmes de Fim de Mundo que mais nos marcaram. Deixe aí o seu nos comentários.

com Ricky Nobre, Eddie Van Feu, Patricia Balan e Renato Rodrigues



ANABELLE 2: A CRIAÇÃO DO MAL

Por Eddie Van Feu



Invocação do Mal revitalizou os filmes de terror ao contar uma boa história e fugir dos clichês óbvios do gênero. Criando uma legião de fãs que se apaixonaram por uma história envolvente e coerente, baseada em fatos reais, o filme teve uma sequência e um spin off. A sequência manteve a qualidade do primeiro, mas sua spin off, baseada em um dos elementos mais aterrorizantes do filme, a boneca Anabelle, não empolgou tanto, embora tivesse ótimos momentos. Anabelle 2: A Criação do Mal, chega para redimir seu predecessor e já diz a que veio no primeiro final de semana quando ficou em primeiro lugar na bilheteria nos Estados Unidos (arrecadando mais de 35 milhões de dólares). Então, o que você deve esperar de Anabelle 2?



Pra começar, é uma prequela, começando bem antes da história contada em Invocação do Mal. Uma freira e algumas meninas vão morar em uma casa afastada com um casal que perdeu a única filha. Coisas estranhas começam a acontecer e a boneca mais esquisita do mundo, Anabelle, está bem no meio de tudo, ao mesmo tempo que o fantasma da menina morta também parece perambular pelo lugar.
Os personagens do filme precisam urgentemente aprender a importância da comunicação. 

Então, vamos lá! Se você está no time de pessoas que achou o primeiro filme de Anabelle fraco, pode respirar aliviado. O segundo é melhor. Mas não quer dizer que não tenha alguns problemas.

Entre os pontos positivos, temos uma fotografia belíssima, um elenco simpático e cenas realmente assustadoras que fogem dos sustos de gato pulando do armário. Quando algo dá medo, acredite, é pra ter medo. A direção de David F. Sandberg, responsável pelo terror Quando as Luzes se Apagam, fez um bom trabalho e admito que em alguns momentos me flagrei com uma taquicardia. Na sessão a que fui, uma mulher que parecia ter entrado na sala errada, ria alto em todas as cenas de tensão, me desconcentrando um pouco. E mesmo assim eu fui envolvida pelo filme e sua atmosfera assustadora. Quando nem uma pessoa sem noção consegue te tirar do clima do filme, é porque ele tem algum mérito. Outro ponto positivo é como ele se liga a referências do universo que os fãs vão reconhecer facilmente.

Olha a Anabelle olhando pra ver se você vai deixar um comentário ou se ela vai ter que ir aí puxar teu pé...

O ponto negativo está no roteiro. Em vários momentos, os personagens não agem como uma pessoa (ou criança, ou freira, ou homem) normal. Quando você entra em um quarto assombrado e coisas muito estranhas começam a acontecer, você corre. Quando uma boneca amaldiçoada te persegue, você grita. E quando você esbarrar com a primeira pessoa que encontrar, você conta o que aconteceu! E quando uma menina assustada está confessando seus pecados e começa a contar uma experiência macabra, você como padre ou freira não interrompe a confissão e deixa a miserável contar até o fim. A falta de comunicação generalizada simplesmente não fazia sentido.

Dormir num quarto cheio de pedaços de bonecas pendurados no teto não parece ser uma boa escolha para criança nenhuma. 
Há também uma descontinuidade sem explicação em várias cenas que enfraqueceram muito o roteiro. Há uma sequência, por exemplo, em que uma personagem é levada gritando em uma cadeira de rodas através de uma área aberta e jogada dentro de um galpão. A poucos metros, cinco meninas brincavam e conversavam. Elas não ouviram nem viram nada por vários minutos, até o roteiro achar que elas já podiam voltar para a própria dimensão e correm para ver por que uma das órfãs está gritando dentro do galpão. Esse tipo de erro onde personagens perdem poder de ação para permitir uma cena de terror a poucos metros se repete algumas vezes e tira um pouco do senso de realidade, que é o grande barato desse universo de Invocação do Mal.
Bons momentos de suspense e susto genuínos garantem a diversão. 

Anabelle 2 é um bom filme de terror, como disse a Loba Patrícia Balan que assistiu comigo, ao invés de ser um ótimo filme que por acaso é de terror, como Invocação do Mal 1 e 2. Mas cumpre o que promete. Faz saltar da cadeira e acelera o coração.
Assistimos no Cinema 4DX do UCI do New York que ampliou a experiência com suas super cadeiras da Nasa cheias de efeitos e eu super indico, pois elas assustam, mas não distraem e você realmente se sente dentro do filme. Talvez nem todo mundo queria estar dentro de um filme com a Anabelle, mas nós adoramos!








Gênero: Terror
Direção: David F. Sandberg
Roteiro: Gary Dauberman
Elenco: Adam Bartley, Alicia Vela-Bailey, Anthony LaPaglia, Brad Greenquist, Brian Howe, Grace Fulton, Joseph Bishara, Karalee Austin, Kerry O'Malley, Liam James Ramos, Lotta Losten, Lou Lou Safran, Lulu Wilson, Mark Bramhall, Miranda Otto, Philippa Coulthard, Samara Lee, Stephanie Sigman, Talitha Bateman, Tayler Buck, Tyler A. Johnson
Produção: James Wan, Peter Safran
Fotografia: Maxime Alexandre
Montador: Michel Aller
Trilha Sonora: Benjamin Wallfisch
Duração: 109 min.
Ano: 2017
País: Estados Unidos
Estreia: 17/08/2017 (Brasil)
Distribuidora: Warner Bros
Estúdio: Atomic Monster / New Line Cinema

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Os "julgamentos" na Internet - Chá das Cinco #153

Gravamos esse semana um vídeo que trata de um desses típicos julgamento pela Internet. Depois da gravação nós continuamos conversando em OFF e eu gostaria de compartilhar parte desse papo com vocês

com JM, Patricia Balan, Ricky Nobre, Eddie Van Feu e Renato Rodrigues

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Sobre o infame "Dossiê Marcio Seixas" - Chá das Cinco #152

Quem acompanha notícias sobre dublagem foi surpreendido com as acusações desleais contra o dublador Marcio Seixas em diversos videos. Ouvimos quase todos e gostaríamos de falar em defesa de Seixas e também sobre a falta de "interpretação de texto" de quem frequenta Internet.

Com Renato Rodrigues, Eddie Van Feu, Patricia Balan, Ricky Nobre e JM

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

GIRO DA SEMANA - Chá das Cinco #151

Remake de "Os Monstros", a foto do Cable, as dívidas da Netflix, a possível volta de Constantine e outras coisinhas estão no resumão das notícias da semana que passou com Eddie Van Feu, Patricia Balan e Renato Rodrigues!

 

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Você tem alguma mania meio... maluca? - Chá das cinco #150

De perto ninguém é normal! Então vamos confessar algumas de nossas manias do dia-a-dia. Coloque aí nos comentários as suas!

presentes os loucos: Patricia Balan, Renato Rodrigues, Eddie Van Feu e Ricky Nobre

 

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

GIOVANNA: O MUSICAL - UMA SURPRESA APLAUDIDA DE PÉ


por Eddie Van Feu
O musical Giovanna, sucesso em São Paulo, chega ao Rio em curta temporada com um show de talento em uma história simples, mas comovente. Baseado no romance espírita de Leon Denis, a peça foi adaptada por Paulo Afonso de Lima e Bel Bianchi, que também dirigiu. Nas cercanias de Milão, em uma cidadezinha chamada Lombardia, um nobre francês e desiludido chega procurando por amigos de seus pais. É recebido pelo animado casal de ciganos Lucia e Genaro e acaba por conhecer um anjo em terra, a bela e boa Giovanna. Considerando que os dois são as pessoas mais bonitas da Itália, é claro que se apaixonam, enquanto Lucia persegue implacavelmente Genaro, que não é fã de casamento.



A peça, que não conta com patrocínio, alterna momentos delicados e doces, cheios daquele romantismo exacerbado do primeiro amor, com cenas de humor e alegria. Ao mesmo tempo, joga na plateia questionamentos que todos temos sobre a vida, a morte, Deus e a dor.



Renato e eu chegamos em cima da hora e achei que ia perder o início da peça de novo (porque perdi o início de Les Miserábles). Felizmente, fui atendida a tempo e ainda entrei feliz! A moça da bilheteria me reconheceu como youtuber e era assinante do meu canal, o que me deixou toda boba. Não sabia o que esperar da peça e confesso que me surpreendi com o talento a que fomos expostos em pouco mais de uma hora de espetáculo.



Usando músicas do cancioneito popular italiano, as vozes dos atores-cantores preenchem o teatro com muita emoção. Sofia Toscano no papel título tem uma voz cristalina e afinada, enquanto que Ananda Ismail como Lucia esbanja espontaneidade e voz com seu parceiro Victor Gorlach, o Genaro. Christian Villegas vai do francês deprimido ao jovem apaixonado com facilidade e canta muito (porque não basta ser lindo, tem que humilhar). As músicas são variadas, indo da ópera clássica ao pop. Se você não entende italiano, não se preocupe. Dá pra aproveitar cada minuto e entender a peça assim mesmo.


A peça fica em cartaz apenas neste mês, às quartas e quintas, no Fashion Mall. Aproveite! Aqui em casa já iremos de novo, dessa vez levando a sogra que ficou super curiosa!

Cotação dos Lobos:






Adaptação: Paulo Afonso de Lima
Adaptação e direção geral: Bel Bianchi
Direção Musical: Patrícia Evans
Direção de Movimento e Coreografias:Arthur Rozas
Elenco: Christian Villegas, Sofia Toscano, Victor Gorlach, Ananda Ismail Areka, André Sigaud, Beatriz Erthal




Temporada: 2 a 31 de agosto
Dias e horário: Quartas e quintas ― 21h
Entrada: R$ 60 (inteira) / R$30 (meia: incluindo 1kg de alimento não perecível)
Classificação: Livre
Produção: A Serpente
Duração: 80 minutos
Vendas on-line via site Tudus.
Teatro Fashion Mall
Estrada da Gávea, 899 ― São Conrado ― Rio de Janeiro
Facebook: https://www.facebook.com/musicalgiovanna/

Esse foi o dia que fomos! Estamos ali no meio, no escuro, muito felizes!