sexta-feira, 14 de setembro de 2018

PATRULHA DO DESTINO vem aí

por Renato Rodrigues
O sumidaço ator Brendan Fraser (A Múmia) marca sua volta dublando na série Patrulha do Destino, confira o look aí nas fotos:



O elenco já conta com April Bowlby (Rita Farr/Mulher-Elástica), Joivan Wade (Ciborgue... põ, ele não era para aparecer nos Titãs????), Diane Guerrero (Crazy Jane), Riley Shanahan (como Robotman e Brendan Fraser na versão humana e Timothy Dalton (Dr. Niles “O Chefe” Caulder).

Versão dos Quadrinhos

Doom Patrol terá treze episódios e estreia em 2019 no serviço de streaming exclusivo da DC.

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

TOP 5 Famílias Disfuncionais da TV - Chá das Cinco #273

A TV está cheia de famílias fuleiras que estão longe de serem perfeitas. Vamos selecionar 5 delas, deixe mais alguma aí nos comentários. 

presentes Eddie Van Feu, Renato Rodrigues e Patrícia Balan

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Boatão do dia: HENRY CAVILL PODE LARGAR A CAPA DO SUPERMAN - Atualizado



por Renato Rodrigues
Saiu no Planeta Diário  The Hollywood Reporter a bomba de que Henry Cavill não viverá mais o Superman no cinemas. Cavill ainda não se pronunciou mas um figurão da Warner mandou essa:
"Superman é como James Bond, depois de um tempo você precisa olhar para novos atores"
Ihhhhh, rapá... se isso for uma estratégia para ganhar aumento não parece estar dando certo, amigo Cavill.

Outra pista foi a de que a Warner tentou escalar o ator para uma participaçãozinha em Shazam!, mas discussões contratuais entre os agentes deram em nada até agora.

Imagino que Cavill esteja meio de saco cheio das críticas dos fãs. O segundo Homem de Aço foi adiado e substituído pelo polêmico (na falta de outro adjetivo) Batman Vs Superman onde o foco foi todo em cima do Bat-Affleck. 

Agora surgiu um projeto de um filme da Supergirl (talvez motivado pelo sucesso na TV). Ou seja, nada de Homem de Aço II. É uma pena pois foi só agora depois do (também polêmico) Liga da Justiça que nós vimos pela primeira vez Henry Cavill como um Super-Homem de verdade


Sinto aí uma limpeza da era Zac-mão-podre-Snyder já que, tirando a Gal Gadot Maravilha, todo o resto do universo cinematográfico DC sofre comparações de estilo "antes e depois da saída do diretor".  Em todo caso o Ben Affleck (Que também não deve voltar ao Batman) já está a postos pra pegar essa boquinha.


ATUALIZAÇÃO - Diante da avalanche de postagens sobre isso a Warner abriu o bico:
“Embora não tenha sido tomada nenhuma decisão sobre filmes futuros do Superman, sempre tivemos muito respeito e um grande relacionamento com Henry Cavill e isso não mudou."
Aguardemos o que os irmãos Warner estão planejando

ATUALIZAÇÃO II
O Cavill postou a seguinte zoeira em relação a essa situação:






Uma publicação compartilhada por Henry Cavill (@henrycavill) em

terça-feira, 11 de setembro de 2018

Nossas Fontes de Informação PRÉ INTERNET - Chá das Cinco #272


Antes da internet a gente tinha que se virar para garimpar notícias de TV, Quadrinhos e Cinema.
Vamos listar algumas destas fontes. Faltaram muitas ainda, deixe aí a que você lembrar nos comentários. 

presentes Renato Rodrigues, Eddie Van Feu, Ricky Nobre e Patrícia Balan

 

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

POLÍTICA NO MUNDO DOS SUPER-HERÓIS



Por Gabriel Maia
Eu só me calei e fui embora ajudar quem precisa
A HQ “Guerra civil” narra uma divisão no mundo dos heróis onde o Estado tenta se impor na liberdade individual e acaba colocando amigos contra amigos. Stark achava que as pessoas deviam se registrar e se submeter ao governo, Rogers achava que as pessoas deviam ser respeitadas e ter sua liberdade.
No final das contas heróis e vilões praticamente destruíram a cidade em uma luta que perdeu totalmente o sentido.
No meio do conflito, enquanto “heróis” lutavam entre si pelo domínio da razão sobre o outro, Ben Grimm do Quarteto Fantástico, estava fora do combate tentando proteger as pessoas dos poderosos. Ele foi o único a agir como herói preocupando-se mais com os inocentes na linha de fogo do que com a luta em si.
Peter Parker começou achando que Stark tinha razão, mas ao ver como o governo agia como um deus decidindo sobre as vidas de seus companheiros, aderiu ao lado de Rogers. Não é feio mudar de opinião, feio mesmo é estar do lado errado.
E quais os lados? Quem está certo e quem está errado?
Ambos os lados acreditam fielmente estarem certos. É assim em todas as discussões onde o ego se põe à frente da razão, seja na política, religião, ou o que for.
Todos ali se acham os “heróis”, os corretos.

Eu nunca fui de aderir a lados como tantos. Sempre fui de tentar olhar de fora as atitudes, palavras e consequências.
Quando a Grécia, berço da democracia, estava entrando em colapso econômico me perguntei se nós seríamos tão civilizados quanto eles foram naquele momento.

Nosso país caminhou para uma séria crise, e o próximo presidente precisa ser alguém muito preparado para erguer a economia, consertar alguns estragos e trabalhar a união (ou pelo menos acalmar os ânimos) do povo. Esse próximo presidente vai ser odiado, porque está pegando um país à beira do abismo e precisará tomar muitas atitudes antipopulares, e vai demorar para nos recuperarmos.
Faz algum tempo que deixei de discutir muitas coisas, e isso é péssimo pra mim. Se tem uma coisa que eu adoro fazer é conversar. Eu converso sobre tudo, e adoro discutir, ouvir e falar.
Mas faz algum tempo que me calei sobre muitas coisas.

As pessoas andam ao extremo. Se você tem ideias diferentes é excluído do círculo social, se defende alguma ideologia é taxado com algum rótulo pejorativo, se usa uma camisa de algum político pode ser espancado.
Não tenho ideologias para defender, não tenho camisas de políticos, e com certeza não vou agredir ninguém física ou verbalmente por ter ideias diferentes das minhas neste ponto.
Tudo o que eu quero é que meu país saia deste buraco e que as pessoas possam dialogar e encontrar o que tem em comum, em vez do que tem de diferente.

Alguns tem me perguntado por que tenho andado tão quieto ultimamente.

Eu tive que me calar... não faz mais sentido tentar conversar com quem só julga.
Eu tive que me calar... e me voltei ao que sei fazer e realmente importa: ajudar quem precisa de mim.

A exemplo de Steve Rogers eu me rendi, “estávamos ganhando tudo, menos a discussão”.
A exemplo de Ben Grimm, eu fui ajudar quem precisa de ajuda enquanto vocês estão mais preocupados em brigar entre si.

sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Coringa e o Multiverso.


Por Carlos Tavares

Se você pode ter dois Coringas em um baralho de cartas, por que você não pode ter dois Coringas em jogo na sua mesa em Hollywood? 

Esse parece ser o pensamento da Warner/DC, já que o filme independente de Todd Phillips, Joker, estrelado por Joaquin Phoenix, continua a fazer escolhas de elenco de alto nível. 

Atualmente, o filme de Phillips já anunciou Robert De Niro, Marc Maron e Zazie Beetz. No final de agosto, Alec Baldwin havia se juntado e, em seguida, saiu rapidamente do projeto onde iria interpretar o pai do Batman, Thomas Wayne. (O ator disse ao USA Today que ele tem problemas de "agendamento" e que "tem certeza de que há 25 caras que podem interpretar esse papel".) Mais um pra se arrepender no futuro. 

E essa notícia vem em meio aos planos da DC de também trazer de volta o Coringa de Jared Leto, visto pela última vez em Esquadrão Suicida, para um filme no qual o vilão se reuniria com a Harley Quinn, da Margot Robbie. 


Então, em vez de achar que duelar com os filmes do Coringa (estrelado por atores cujo os nomes começam com J) pode acelerar o cansaço para com o personagem, a WB/DC parece estar lidando fortemente com a crença de que deveria seguir a lógica dos quadrinhos. 

Isso quer dizer: por que não dar aos fãs a chance de mergulhar em uma série de filmes da DC em Universos Paralelos, fora de continuidade, como o antigo selo “Elseworlds”?

A WB/DC não acertou em utilizar a fórmula Disney/Marvel, onde os seus filmes coexistem de forma perfeita. Então a atual equipe criativa vai seguir uma linha mais Disney/Lucasfilm. 

Isso porque Star Wars obteve sucesso comercial com seus filmes independentes desde que a Disney trouxe de volta a galáxia de George Lucas em 2015. 

Se é pra DC apostar um pouco, por que não tentar a abordagem do Multiverso, e a uma fração do custo? O filme da Phillips, Joker, que será lançado no outono de 2019, tem um orçamento de produção de US$ 55 milhões - muito menos do que o Esquadrão Suicida (US$ 175 milhões) e Batman v Superman (US$ 250 milhões). 

O filme de maior sucesso da até então DC Extended Universe foi Mulher Maravilha, que recebeu críticas positivas e arrecadou US$ 822 milhões com um orçamento de produção de US$ 150 milhões. A seqüência deve sair no outono de 2019 também. 

Em outras palavras: A Mulher-Maravilha cinematográfica está em sua melhor forma narrativa ao lutar contra o crime livre da companhia de Batman ou Superman. 

E isso aponta para o que poderia ser uma estratégia de apostas melhor para o WB/DC: em vez de ir todos os anos nas maiores mesas de Hollywood, por que não perambular para uma série de jogos de apostas menores? 

Afinal, mais jogos cinematográficos significam apenas mais Coringas em ação.

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Nós vimos o filme "A FREIRA" - Chá das Cinco #271

Eddie Van Feu e Patricia Balan foram conferir "A Freira", filme derivado da franquia "Invocação do Mal"... e nunca mais foram vistas.

Ela está chegando!!!


Por Carlos Tavares

A Capitã Marvel está na capa da última edição da Entertainment Weekly, e podemos dar a primeira olhada na heroína que ganha vida através de Brie Larson. O público viu brevemente o símbolo de Carol Danvers na cena dos créditos finais de Vingadores: Guerra Infinita, mas, em março de 2019, a piloto da Força Aérea com poderes alienígenas receberá sua própria história de origem. 

Capitã Marvel não é apenas o primeiro filme solo, liderado por mulheres, no Universo Cinematográfico Marvel, mas é uma introdução a heroína mais poderosa que o MCU já viu. 


O filme evita o modelo tradicional de história de origem e, quando começa, Carol já tem seus poderes. Ela deixou sua vida na Terra para se juntar à equipe militar de elite chamada Starforce situada no planeta Kree chamado Hala. (Os diretores Anna Boden e Ryan Fleck descrevem a Starforce como os Marines do espaço.) Seus membros incluem a própria Carol Danvers, Korath (Djimon Hounsou) e Minn-Erva (Gemma Chan). 


Jude Law interpreta o comandante da Starforce, que vê Carol como um projeto e um animal de estimação. "Esses poderes extraordinários que ela tem, ele os vê como uma espécie de bênção e algo que ela tem que aprender a controlar", diz Law. "Esse é o motivo por trás de tudo, o elemento de aprender a controlar as emoções e usar seus poderes com sabedoria." 


O filme também apresenta uma das raças mais desagradáveis ​​do Universo Marvel: os Skrulls. Ben Mendelsohn interpreta seu líder, Talos, visto aqui em toda a sua glória verde brilhante. Mas ele tem outro rosto também ... 


Como qualquer fã de quadrinhos da Marvel sabe, os Skrulls são especialmente perigosos por causa de sua incomparável habilidade de mudar de forma. Na Terra, Talos se disfarça como um humano trabalhando na S.H.I.E.L.D. 


Os fãs de MCU vão reconhecer dois rostos familiares - Korath e Ronan o Acusador de Lee Pace aparecerão em Capitã Marvel. Em Guardiões, Ronan é um pária com visões extremistas, mas aqui, ele ainda é um membro do alto escalão da sociedade Kree. 


Capitã Marvel marca a nona aparição de Samuel L. Jackson como Nick Fury, mas este Nick é um humilde recepcionista da S.H.I.E.L.D. que ainda não conheceu nenhum super-herói. Ele é mais jovem do que já o vimos (Jackson foi digitalmente trabalhado para o papel) e, talvez o mais chocante de tudo, ele está sem o tapa-olho que é a sua assinatura. 


Mesmo antes de se tornar a Capitã Marvel, Carol era uma piloto da Força Aérea, e Larson passou um tempo com pilotos reais para pesquisa. 


O filme também apresenta Lashana Lynch como Maria Rambeau, uma das amigas mais antigas de Carol. Ela é uma piloto de alto nível da Força Aérea com o codinome “Photon", (Olha outra heroína aparecendo aí) e ela também é mãe solteira de uma filha pequena. 
Para quem não lembra, essa é a Photon nas HQ

E é isso. Mais uma vez a Marvel se aproveita da incompetência da DC e lança na frente nas telonas a história de uma heroína que nessa atual roupagem, é uma cópia do Lanterna Verde. Parabéns DC!!

Acima de tudo, Parabéns Marvel Stud10s!!!!