quinta-feira, 19 de julho de 2018

TRAILER da série TITANS

OPA, saiu uma prévia do trailer do Novos Titãs... ou dos Jovens Titãs... ou Titans, sei lá.



Tá bacana, senti falta do Ciborg, mas já era esperado que ele não aparecesse. Seria legal se ele fosse mencionado em algum momento pelo menos.

Assim como os fundadores Kid Flash, Donna Troy ou Aqualad.

terça-feira, 17 de julho de 2018

Imigrantes da Cultura Pop - Chá das Cinco #259



Que imigrantes se destacaram no cinema ou nos quadrinhos? Essa pauta surgiu na semana em que o execrável do Trump estava engaiolando criancinhas estrangeiras a torto e a direito. 

Presentes Renato Rodrigues, Eddie Van Feu, JM e Patrícia Balan

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Crossover Literário (Dicas de Leitura) - Chá das Cinco #258

Dany Fernandez, do Barato Literário, fala de nossas duas sagas que se passam no mesmo universo: Os Dragões de Titânia e Crônicas de Leemyar, livros que se cruzam algumas vezes e cujos personagens estarão juntos numa mesma aventura nesta Bienal do Livro em SP.

Edição de vídeo: Paulo Kunze

 

terça-feira, 10 de julho de 2018

Lembrando os bons tempos da EDITORA ABRIL - Chá das Cindo #257

Em todos esses anos nesta indústria vital a Editora Abril nos presenteou com muita coisa boa nas bancas criando novos leitores a cada mês. Vamos lembrar de alguns dos seus marcos?  

presentes Renato Rodrigues, Eddie Van Feu, JM (João Marcelo) e Patrícia Balan Edição de vídeo: Paulo Kunze

quinta-feira, 5 de julho de 2018

Battle Royale (Dica de Leitura) - Chá das Cinco #256

Sim! O vídeo de hoje fala do livro que já virou mangá e filme, mas nunca teve um anime! E para variar, a Dany, que sempre fugiu de Battle Royale, acabou topando com o livro e agora deixa suas humildes (e choramingantes) impressões sobre essa obra sangrenta e esquisitona. 

Edição de vídeo: Paulo Kunze

 

domingo, 1 de julho de 2018

33 D.C.

Por Carlos Tavares


Mais de trinta anos depois, os efeitos das mudanças feitas por Marv Wolfman e George Perez em Crise nas Infinitas Terras ainda podem ser sentidos dentro do UDC. Neste olhar de volta ao passado, o par de criadores relembra sobre a construção de um Multiverso melhor. 

De vez em quando, há uma história da DC tão grandiosa que muda o próprio tecido da realidade. Essas histórias são chamadas de "Crises" por um par de razões. 

Tudo começou em 1961 com uma história escrita por Gardner Fox e desenhada por Carmine Infantino, chamada “Flash de dois mundos”, que deu início a toda a idéia do Multiverso. Mais tarde, Fox expandiu ainda mais a idéia nas páginas de Liga da Justiça da América com um conto em duas partes chamado “Crise na Terra-Um” e “Crise na Terra-Dois”, e uma convenção de nomenclatura nasceu. Histórias que envolviam Terras diferentes, alternativas, povoadas por diferentes heróis alternativos, cruzando-se umas com as outras, eram eventos de Crise e, durante anos, isso era tudo o que se sabia sobre isso. 

Então veio 1985 e um evento chamado Crise nas Infinitas Terras, e tudo começou a mudar. Escrito por Marv Wolfman e desenhado por George Perez, esta era uma crise diferente de qualquer outra que tivesse ocorrido antes, que iria mudar o curso da história da DC para sempre. Originalmente projetada para ser uma série de doze números que simplificaria toda a continuidade da DC de forma a unir as linhas díspares das Eras de Ouro, de Prata e de Bronze em pequenos arcos. Mas Crise nas Terras Infinitas lançou as bases para virtualmente todos os grandes eventos do Universo DC, desde a sua sequência “lógica”direta chamada Crise Infinita, até o atual evento Dark Nights: Metal. (Um dos raros eventos semelhante às crises que não usa a convenção de nomenclatura.) 

Simplificando, Crise foi um grande negócio. Então aproveitamos a oportunidade para dar uma olhada na colaboração mais épicas entre Wolfman e Perez, e ter a história de como se reescreve o livro de regras para um universo inteiro de super-heróis. 

Acontece que alterar para sempre o cosmos tem alguns começos chocantemente humildes. 

"Eu estava editando e escrevendo a coluna de cartas da revista do Lanterna Verde, e havia um fã que escreveu que a continuidade da DC era confusa", lembrou Wolfman, "e eu disse 'um dia vamos consertar isso'. Então, naquela tarde, Muitos de nós estávamos indo para uma convenção e de maneira típica, cheguei à estação de trem bem cedo, mas todo mundo estava incrivelmente atrasado e, por alguma razão, a carta continuava ressoando, eu ficava pensando em, e, quando todos apareceram, o conceito do que aconteceria com a Crise já estava criado e eu contei a eles o que tinha acabado de inventar. " 


No espaço de uma tarde, Wolfman mapeou o que acabaria se tornando uma das histórias mais definitivas da história da DC. Claro, não foi assim tão simples. Wolfman admitiu que demorou "vários anos" depois daquele fatídico dia para realmente resolver os detalhes - e para obter o outro componente chave, o artista George Perez, a bordo. 

"Originalmente, George não faria parte dela", admitiu Wolfman. "Mas eu continuei falando com ele sobre o que estávamos fazendo, e então, eventualmente, ele disse 'eu quero entrar'. Era exatamente o que eu esperava, porque ninguém mais poderia ter desenhado essa saga. Ninguém. " 


Perez tem o seu próprio lado da história, é claro. "Eu estava apenas passando por ela a passos largos e me esgueirando de tantos personagens extras eu pudesse, já que obviamente o enredo conta a vocês os personagens específicos que eram necessários para progredir a história. Então, eu encontraria maneiras de colocar outros personagens no fundo e coisas assim,” disse ele, mas foi rápido em acrescentar que, por tão pequeno quanto parecia estar se iniciando," houve um ponto em que eu realmente percebi que essa coisa estava se tornando realmente algo grande. Marv fez uma cena e eu desenhei e, na edição seguinte, aconteceu exatamente à mesma cena - estava ficando fora de controle. " 
Foi quando Perez levou suas contribuições para um próximo nível e começou a oferecer notas para a história e as coisas realmente saíram do papel. Wolfman explicou: "George veio para co-argumentar e tirou muita pressão de cima de mim.” 

Claro, houve algumas desvantagens para Perez assinar a história. Como ele brincou, “Uma das coisas - a repercussão extra disso - foi o fato de que, é claro, qualquer mudança que estava acontecendo antes de eu me envolver com a história, você poderia culpar Marv. Agora, eu tinha que compartilhar a culpa também ". 


Felizmente, não há muita culpa em nos lembrarmos de tudo que fizeram e que repercute ainda nos dias de hoje, especialmente quando a base estabelecida em 1985 ainda está sendo construída. Na verdade, hoje, 33 D.C. (33 anos Depois de Crise) temos a certeza de que a Crise, nunca acabou.

quinta-feira, 28 de junho de 2018

Os 40 anos de "Superman - O Filme" - Chá das Cinco #254

Nossas memórias sobre o pioneiro e mais icônico filme de super-heróis já feito (que inclusive alguns de nós viram na telona).
Mas por que esse filme é tão importante até hoje? 

Presentes JM, Ricky Nobre, Patrícia Balan e Renato Rodrigues