quinta-feira, 6 de abril de 2017

DESPEDIDA EM GRANDE ESTILO: UM FILME ADORÁVEL!

por Eddie Van Feu

Há filmes que enchem a tela com grandes efeitos e paisagens. E há filmes que enchem nosso coração de sentimentos. Há tempos eu não vejo um bom filme do segundo tipo, daqueles que entram imediatamente na minha seleta lista de DVDs desejados. Despedida em Grande Estilo, que estreia hoje nos cinemas, é um desses filmes, sendo uma feliz surpresa. Para quem esperava apenas uma comédia rasgada ou um drama de velhinhos, errou. É um filme inteligente, com excelente texto, elenco inesquecível e uma direção pra lá de competente. Essa refilmagem de uma versão de 1979 com direção e roteiro de Martin Brest e estrelada por George Burns, Art Carney e Lee Strasberg tem carisma e talento sobrando do início ao fim.

Toda sorte a Zach Braff! Talento já tem.

A direção de Zach Braff é ao mesmo tempo firme e fluida, já que seria um crime limitar os movimentos dos monstros sagrados sob seu comando. Zach é nosso velho conhecido desde os tempos de Scrubs, a série mais injustiçada das premiações, e os lobos aqui de casa sempre curtiram seu trabalho como ator. É muito bom ver que nesse primeiro trabalho para a telona ele tenha feito bonito!



No papel dos três velhinhos desesperados para pagar suas contas, acossados pelos bancos e por um governo gafanhoto, temos Morgan Freeman, Alan Arkin e Michael Caine. Ann-Margret ressurge resplandescente como uma inspiração a todas as mulheres que é possível envelhecer com beleza e charme. Matt Dyllon e Christopher Loyd também são presenças deliciosas!

Christopher Lloyd é nosso velhinho maluquinho favorito desde os Anos 80!

Theodore Melfi (responsável também por Estrelas Além do Tempo e Um Santo Vizinho) brincou com uma narrativa moderna, dinâmica e, ao mesmo tempo, simples e cativante, fazendo um bom trabalho com a história original de Edward Cannon.

Lição do dia: preparação e planejamento são fundamentais. E pular da água quente antes que ela ferva.


 A história é desconfortavelmente familiar. Três idosos sofrem com um sistema que não respeita ou tem qualquer consideração por quem trabalhou décadas e perdem suas pensões. Acompanhamos a triste situação de três homens que não podem mais comer uma torta porque suas pensões foram para o espaço, ao mesmo tempo em que o banco faz o que todos os bancos fazem, ameaçando tirar a casa de um deles (personagem de Michael Caine). E então, eles pensam em se vingar e assaltar o banco que não só vai ficar com suas pensões mas ainda triplicou suas hipotecas.

Como lidar com um país e um governo que não respeita seus idosos?
É muito fácil cair no piegas quando o tema é velhinhos passando dificuldades, ou na comédia exagerada quando o tema é velhinhos atrapalhados aprontando todas e assaltando bancos. A delícia desse filme é não cair em nenhum desses dois erros.

É impossível não se emocionar, mas não por causa de artifícios fáceis, como música e lágrimas, mas porque você sabe que Morgan Freeman, Michael Caine e Alan Arkin são seu pai, seu avô, seu vizinho e seu tio. Você SABE que o que acontece com esses protagonistas está acontecendo agora no seu país. E tenta não pensar que o próximo será você. Então, quando eles decidem assaltar um banco, é claro que você vai junto, e torce como se sua torcida fosse mudar os rumos do filme. Porque não é sobre vingança. É sobre sobrevivência!

Nunca é tarde para roubar um banco!

Eu amei esse filme e já está na minha lista (super seleta) de DVDs ou Blurays que terei. Se quiser uma boa diversão recheada de um texto maravilhoso, elenco que esbanja talento e história inteligente, corra agora para os cinemas!

CURIOSIDADE:

Em suas duas versões, esse filme contou com DEUS em seu elenco principal! No primeiro, de 1979, George Burns que interpretou o Soberano nos filmes Alguem lá em Cima Gosta de Mim (1977), A Menina que Viu Deus (1980) e O Céu Continua Esperando. No filme atual, temos Morgan Freeman, que já foi presidente dos EUA, vice-presidente em comando e, claro, o próprio Deus em O Todo Poderoso (2003) e A Volta do Todo Poderoso (2007). Produção abençoada!




Eddie Van Feu já combinou com Ricky Nobre, Renato Rodrigues e Patrícia Balan que vão assaltar um banco se nada mudar em cinco anos!

2 comentários:

mélia disse...

Estou ansiosa para ver o filme, mesmo porque Michael Caine, Morgam Freeman são meus favoritos....
Christopher Loyd então...me fez (e ainda faz) viajar muito em um futuro tão tão distante..
Provavelmente essa realidade do filme é a realidade de muitos, principalmente no nosso País, que depois dos quarenta nos considera incapazes, inúteis...tenho 52 bem vividos e já sofri na ´pele discriminação por não ser jovem...
Contando as horas para assistir....

Eddie disse...

Obrigada, Mélia! Tenho certeza de que você vai adorar!